O quê aquele bebezinho engatinhando pensa …

O que aquele bebezinho engatinhando pensa, pra onde ele está indo?
O bebezinho é o nosso ser humanozinho, tão pequenino, olhando, olhando … pra o quê será que nós o estamos servindo?
Ali está o nosso bebê … ali está a nossa Sociedade …
Quietinho, rindo, como é lindo o nosso bebê!
Queríamos que ele fosse feliz … Ah! E queríamos que a Terra fosse linda pra ele.
Quando somos assim os nossos pais sabem que somos muito despreparados
para encarar a vida, como os outros animais são. Somos muito, muito,
muito frágeis, e de quanta atenção precisamos. Aí os olhos voltam-se
pra nós, como somos importantes, riem pra nós, e quantos nos atendem.
A nossa vaidade começou aí, e nossos sôfregos temores também. Nós
humanos demos tanta e mais e mais assistência a nossos rebentos que
acabamos fornecendo sem querer mais e mais chances de assim pequeninos
mais pensarmos e observarmos do que nos preocupar em nos defendermos,
em nos esforçar para sobrevivermos. E nossas qualidades psicológicas
aumentaram muito e nos desenvolvemos até nos sentirmos muito seguros,
como seres, como espécie, como adultos, na Terra.
O nosso sucesso social veio do sucesso psicológico gradativamente
adquirido por esse hábito esquisito e até paradoxal frente às forças da
Natureza: o hábito de proteger antes de ensinar a sobreviver. Assim,
antes de nos fazerem ficar de pé, ou nos deixarem à revelia à mercê de
nossas próprias forças, nos cuidaram, nos namoraram, nos admiraram … e
reciprocamente, num cortejo a esse cuidado nos apegamos aos seres que
nos brindaram com o viver … e os amamos … e assim foi e é o nosso
primeiro contato com o conceito, o sentimento … Amar.
Isso não é poesia, ou, isso não é simplesmente poesia; isso é muito, muito biologia, em estágio de poesia.
Esse estágio criou-nos a sabedoria, um porte psíquico incomparável
entre outras espécies de vidas na Terra. E nos erigimos socialmente.
Num evoluir admirável de pensamentos atingimos a consciência, e nos
vimos a refletir sobre nós mesmos … e criamos leis, concordâncias
civis, e costumes ( uns condizentes com nosso viver em liberdade,
outros até hoje equivocados e há muito tempo dispensáveis, ou que já
deveriam ter se tornado folclore).
Agora, cabe-nos encontrar o rumo no torrencial encontro da piracema social. E como podemos conseguir isso?

Parte Um.

Haddammann Veron Sinn-Klyss

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Anúncios

Sobre Sinn-Klyss

Precursor da Lógica Espacial - Autor e Instrutor da Cenografia-Show Passos da Natureza-Brasil. Autor do livro O ESPAÇO e a `Procedência do Movimento (sumido - tomado covarde e canalhamente por criminosos donos de religiões) - Autor do e-book Número-Primo--Arte & Natureza (Pela Simplicidade da Matémática). Pensador que conquistou para a espécie humana o Postulado do Par-Carga; a Ejeção de um hífen-energia (por conseguinte: O que é a Eletricidade); e que apresentou a explicação do que é a Gravidade demonstrando o fenômeno de Tolerância (a Influência neutra no teor dos pares-energia).
Esse post foi publicado em Health and wellness. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s